Skip to content

A parábola do filho pródigo

Lucas 15: 11-32

11 Jesus acrescentou: 12 E o mais novo disse ao pai: «Pai, dá-me uma parte da propriedade que me pertence». E ele distribuiu seus bens [c] para eles. Treze dias depois, o mais jovem foi junto para um país distante, onde viveu irregularmente e esbanjou sua fortuna.

14 Depois de gastar tudo, uma grande fome atingiu o país e se tornou necessária. 15 Então ele foi e se aproximou de um dos cidadãos do país e o enviou ao seu campo para alimentar os porcos. 16 E ele queria colocar no estômago as vagens que o porco comia, mas ninguém lhe deu nada. 17 Então ele percebeu: “Alguns dos trabalhadores de meu pai estão deixando pão, mas aqui estou com fome! 18 Levanto-me, vou até meu pai e digo a ele. Oh, eu pequei contra o céu e contra você. Não mereço fazer isso. Ser chamado de seu filho. Faça-me como um de seus trabalhadores.

20 “Ele se levantou e foi ver seu pai. Ainda longe, seu pai o viu, sentiu compaixão, correu, apoiou-se em seu pescoço e beijou-o. [G]. 21 O filho disse-lhe:” Pai, Eu pequei contra o céu e contra você. Não mereço mais ser chamado de seu filho [h]. Mas meu pai sim. Ele disse aos seus servos: “Imediatamente. Tragam e usem as melhores roupas. Coloquem um anel na mão e sandálias nos pés. 23 Tragam um bezerro gordo para matar, comer e agradar. 24 Porque este meu filho morreu e voltou para a vida. Eu me perdi e eles começaram a se alegrar.

25 Seu filho mais velho estava no campo e, quando chegou em casa e se aproximou, ouviu música e dança. 26 Ele chamou um de seus servos e perguntou o que era. 27 Disse-lhe ele: Veio teu irmão, e teu pai recebeu o bezerro cevado são e salvo, e o matou.

28 Então ele ficou com raiva e não quis entrar. Seu pai apareceu e pediu-lhe para se juntar. 29 Mas ele disse ao pai: Olha, por muitos anos eu te servi e nunca obedeci às tuas ordens, mas tu me deste um filho e agradou aos meus amigos. 30 Mas quando seu filho veio e consumiu seus produtos com a prostituta, você matou um bezerro cevado. 31 Seu pai lhe disse: “Meu filho, você sempre esteve comigo. Minha única coisa é sua. 32 Mas seu irmão, este está morto e vivo, então eu precisava comemorar e me alegrar.”

Reflexão:

A parábola do filho pródigo é uma parábola bem conhecida e popular. Eu gostaria de refletir sobre isso, mas talvez alguns pontos específicos. Se pensarmos no filho e no que ele pede ao pai (sua herança), podemos acreditar que o filho está mesmo contando ao pai … Pai, você está morto para mim, eu não quero morar com você, eu não quero saber mais de você, dinheiro significa mais pra mim, dá minha parte e eu vou … Talvez seja forte pensar assim, mas foi o que ele falou em outras palavras. Ao pedir sua parte na herança, o que só acontece quando a pessoa morre, o filho disse ao pai que não se importava mais.

Agora pense quantas vezes você não disse a Deus … Pai, você está morto para mim, me dê o que me pertence e eu não preciso de você? Quantas vezes você disse ao Pai que só eu posso, quero fazer as coisas do meu jeito?

Mais tarde vemos na parábola que o filho gastou todo o dinheiro, passou fome, então procurou trabalho para cuidar dos porcos (o filho pródigo era judeu e para os judeus o porco é a coisa mais abominável ou humilde do mundo , o trabalho de cuidar de porcos é o nível mais baixo que um judeu pode ir) e ele estava com tanta fome que queria comer o lixo que os porcos levavam. Mas ele reagiu ao perceber que tinha um pai rico e decidiu se desculpar. Enquanto ele está fora, o pai o vê e o PAI corre até ele e o perdoa. É importante pensar que o pai o via de longe, o que me diz que o pai sempre olhou, sempre esperou, sempre se preocupou com o filho, tanto que correu em direção ao filho (os reis da época não corriam na direção dele). pessoas, eles eram muito importantes, as pessoas corriam em sua direção,

Agora pense em quantas vezes Deus o perdoou. Ele está esperando, ansioso para ver você correr até você e te perdoar, colocar o anel em você para que você faça parte da família. Você quer ser perdoado?

O outro irmão ou filho mais velho está chateado porque eles estão comemorando o retorno do irmão, mas eles nunca comemoraram que ele esteve presente sem falta. Que ele sempre foi o filho “exemplar”.

Agora pense em quantas vezes você julgou os outros por serem pecadores. Quantas vezes você pensa isso porque você está na Igreja, porque você está em grupos de oração, em grupos de estudo da Bíblia, porque você segue os mandamentos, porque você ora, porque você ora, porque você vai à missa … como você ? Você merece algo de Deus ou acha que os “outros” são pecadores porque não buscam a Deus como você? Peça a Deus que o ilumine para que você não tenha uma mentalidade como a do filho mais velho.

Nossa beleza é que ele é misericordioso. Ele está esperando para te ver de perto (ele não te força) para correr até você, te perdoar, te amar e te fazer parte da família (coloque o anel).

Aceite e busque … Deixe-se perdoar … Deixe-se amar