Skip to content

senaqueribe

Sin (o deus Lua) tem multiplicado os seus irmãos. Filho e sucessor de Sargom, rei da Assíria, que subiu ao trono em 705 a.C. Educado no esplendor do palácio, com todas as comodidades, Senaqueribe esteve longe de patentear as virtudes de seu pai. Era fraco, arrogante e cruel – e se pôde conservar o seu império, foi unicamente com o auxílio dos veteranos e dos generais adestrados por Sargom. No seu segundo ano de imperador foi ele obrigado a dominar uma insurreição, por meio da qual Merodaque-Baladã se tinha apoderado da Babilônia. No ano 701 a. C. invadiu a Fenícia e a Palestina porque Ezequias, rei de Judá, e outros reis vizinhos, se recusaram a pagar o tributo (2 Rs 18.13 a 16). Existe uma narração desta campanha, inscrita em um monumento comemorativo, com as próprias palavras de Senaqueribe, segundo o costume do tempo: ‘Tirei do seu posto e mandei para a Síria a Zedequias, rei de Ascalom, que não tinha submetido ao meu poder a sua própria pessoa, os deuses da casa de seus pais, a sua mulher, os seus filhos, as suas filhas, os seus irmãos, toda a descendência da casa de seus pais. E pus à frente dos homens de Ascalom a Saludari, o filho de Rukipti, que tinha sido seu rei, obrigando-o ao pagamento do tributo – e fiz que lhe fosse prestada a homenagem devida à sua majestade, e ele ficou vassalo. No decurso da minha campanha pude tomar Bete-Dagom, Jope, Bene-Beraque, e Azur, as cidades de Zedequias, que não tinham querido submeter-se imediatamente ao meu jugo, e levei comigo o despojo dessas povoações. Então revelaram grande temor na sua alma os sacerdotes, os homens principais, e o simples povo de Ecrom, que haviam prendido com cadeias o seu rei Padi, pelo fato de este mostrar fidelidade ao império da Assíria, e o tinham entregado a Ezequias, o judeu, que o mandou lançar como inimigo numa escura masmorra. Em socorro desta gente foi o rei do Egito com os seus besteiros, carros de guerra, cavalos do rei da Etiópia, constituindo tudo isto uma força poderosa. Perto da cidade do Elteque foram formadas as tropas em ordem de batalha. Eu, tendo toda a confiança em Assur, meu senhor, combati-os e derrotei-os… Apoderei-me das cidades de Elteque e Timna, levando os seus despojos. Marchei depois contra a cidade de Ecrom (*veja esta palavra), e mandei matar os sacerdotes e os homens principais que tinham cometido o pecado de rebelião, sendo os seus corpos pendurados em estacas por toda a cidade ao redor. Considerei como presa os cidadãos que tinham procedido mal – quanto ao resto da população que não tinha praticado pecado ou crime, eu, não achando neles falta alguma, fiz a declaração de que estavam perdoados. o rei Padi que eu tinha trazido de Jerusalém, sentei-o no trono real seu imperante… Quanto a Ezequias de Judá eu o cerquei, pois não se tinha submetido ao meu poder, e tomei quarenta e seis cidades, e fortalezas, entre as mais fortes do seu reino, e inumeráveis cidades pequenas, que dependiam daquelas, batendo as muralhas com os aríetes, e auxiliando o assalto outras máquinas de guerra. Eu trouxe de lá cativas 200.150 pessoas de todas as classes, e de ambos os sexos, e além disso cavalos, mulas, jumentos, camelos, bois, e inumeráveis carneiros. o próprio Ezequias conservei fechado em sua real cidade, como um pássaro na gaiola… E reduzi os seus domínios… os tributos foram aumentados. o temor pela grandeza da minha soberania oprimiu a sua alma. E mandou após mim o seu embaixador à minha real cidade de Nínive, para me entregar como presente e como tributo… oitocentos talentos de prata… um vasto tesouro (de enumerados artigos), sendo-me prestadas as devidas homenagens.’ Nesta narração da sua campanha nada diz Senaqueribe, por prudência, acerca do desastre do seu exército diante de Jerusalém (2 Rs 19). Mas refere-se ao tributo que Ezequias lhe ofereceu em Laquis, quando este procurou afastar por dinheiro o ataque assírio, e assim fez ver com essa referência o bom êxito da guerra. Todavia, os 800 talentos de prata não são exagerados, visto que eram equivalentes aos 500 (2 Rs 19), calculada esta quantia segundo o valor do dinheiro em Nínive. A destruição do exército de Senaqueribe em resultado de uma pestilência, que causou a morte de 185.000 homens, libertou a Palestina do seu poder. E durante o resto do seu reinado ele absteve-se de qualquer outro ataque. (Com respeito à narração bíblica deste fato, vejam-se e comparem-se as passagens 2 Rs 18,19 – 2 Cr 32 – is 36,37). No ano 700 a.C., teve Senaqueribe de tomar de novo as armas, para abafar uma revolta no seu próprio território. Essa revolta foi seguida de um combate na cidade de Babilônia, sendo depois nomeado vice-rei o seu filho mais velho Assurnadin-Sumi. Este último, contudo, foi mais tarde levado cativo pelos elamitas, que tinham invadido o país afrontando o poder assírio por quatro anos – mas foram batidos na decisiva batalha de Khalule. No ano seguinte Senaqueribe tomou Babilônia, subjugando-a a ferro e fogo, e sendo depois os seus habitantes vendidos como escravos – após este fato as águas do canal de Araxes inundaram a cidade arruinada. Passou o resto da sua vida ocupando-se, principalmente, na construção de canais e aquedutos, e na reedificação do seu suntuoso palácio em Nínive. Na verdade, embora deixasse para os seus generais a direção das guerras, ele foi realmente um grande edificador. o seu palácio, abrangendo uma área de oito geiras, estava embelezado de finas esculturas e inscrições, muitas das quais ainda hoje se podem ver. Foi assassinado, no ano 681 a.C., pelos seus dois filhos mais velhos, Adrameleque e Sarezar, enquanto estava em adoração ao seu deus (2 Rs 19.37 – is 37.38). (*veja Babilônia, Ezequias, Nínive.)