Skip to content

anticristo

(isto é, rival de Cristo, contra Cristo.) o termo ocorre somente em 1 Jo 2.18 a 22, 4.3, e 2 Jo 7, onde a última hora é assinalada pela atividade de falsos mestres, ‘os quais não confessam Jesus Cristo vindo em carne’. Mas a idéia aparece sob várias formas, na concepção geral de que o reino do Messias, ou de Cristo, será precedido e anunciado por uma terrível e mortal manifestação dos poderes do mal. *veja Ez 38,39 e Dn 7.9,11,12. A base do ensino do N.T. pode achar-se nas palavras de Jesus, mencionadas em Mt 24.6 a 24. Paulo refere-se a esta última reunião de forças opostas ao espírito do Evangelho, como desvio da verdade (apostasia), e personifica-as no ‘homem da iniqüidade’, no ‘filho da perdição (2 Ts 2.3 a 12). Em 2 Co 6.15 o Apóstolo usa o termo ‘Maligno’, aplicado na literatura judaica a esta mesma idéia de anticristo (cp. com a epístola de Judas, e 2 Pe 2,3, e com a ‘besta’ do Apocalipse). É destas passagens das Escrituras que se devem deduzir as qualidades características da apostasia do anticristo. Dois pontos são claros: l. que o anticristo é uma personificação, e não uma pessoa (1 Jo 2.18, onde está a expressão ‘muitos anticristos’, e deve-se notar que Paulo troca a frase ‘o que o detém’ por esta: ‘aquele que agora o detém’, 2 Ts 2.6,7) – 2. Que o triunfo de Cristo sobre o anticristo é certo.