Skip to content

adivinhação

o dom da profecia foi concedido por Deus apenas a pouquíssimas pessoas, na história da Humanidade – mas nos tempos bíblicos havia quem pretendesse ter o dom da adivinhação, praticando várias espécies de artifícios com o fim de fazerem crer que possuíam conhecimentos do futuro. Em geral a adivinhação fazia parte dos predicados de uma casta sacerdotal, que disso fazia uso para os seus próprios fins(Gn 41.8 -is 47.13 – Jr 5.31 – Dn 2.2). As pessoas que afirmavam ter em si espíritos familiares (is 8.19 e 29.4) crê-se que eram ventríloquos, que desde debaixo da terra, chilreando entre dentes, murmuravam para imitar a voz dos espíritos, que se acreditava terem sido invocados dentre os mortos. Com respeito à invocação da alma de Samuel pela pitonisa de En-Dor (1 Sm 28.7 a 25), considerando que a mulher era indubitavelmente uma impostora, podemos dizer que Deus permitiu nesta ocasião, para os Seus próprios desígnios, que Saul, pelas engenhosas práticas da feiticeira, pudesse ser inteiramente avisado do que o esperava, tendo ainda tempo nos seus últimos dias de voltar o seu coração para Deus. Em Ez 21.21 a referência à adivinhação é por meio de flecha. o rei arremessou um feixe de setas a fim de ver em que direção iam descer – e, como elas caíram à sua mão direita, ele marchou para Jerusalém. A taça pela qual se diz ter José adivinhado (Gn 44.5), era um vaso de prata (simbólico do Nilo, ‘a taça do Egito’) que se supunha ter misteriosas qualidades mágicas. A adivinhação era feita por meio de irradiações da água, ou de gemas, com inscrições mágicas, a ela arremessadas. A condição do fígado do animal, que tinha sido sacrificado, julgavam alguns ser uma indicação relativamente ao futuro (Ez 21.21). Moisés proibiu toda espécie de adivinhação. (*veja Magia.)