Skip to content

A parábola do bom samaritano

Lucas 10, 25-37

Um advogado levantou-se e disse que seria testado: “Mestre, o que devo fazer para herdar a vida eterna?”
Ele disse: “O que está escrito na lei? Como você lê?” Então ele disse: “Você respondeu bem. Faça isso e você viverá.” Mas ele quis se justificar e disse a Jesus: “E quem é o meu próximo?” Jesus respondeu: “Um homem estava viajando de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos dos ladrões, que depois de tirá-lo e espancá-lo o deixaram meio morto. Por acaso um sacerdote veio por ali, viu-o e desviou-se. O samaritano que estava a caminho aproximou-se dele; e quando o viu, teve compaixão dele e se aproximou, e fez curativos em suas feridas, e derramou óleo e vinho sobre ele, e o ergueu em sua própria montanha, e levou-o até ele. uma hospedaria e cuidou dele. No dia seguinte ele tirou dois denários e os deu ao hospedeiro e disse: “Cuide dele, e se você gastar mais, eu devolvo para você quando Eu voltei.” Qual destes três você acha que era vizinho daquele que caiu nas mãos dos ladrões? Ele disse: “Aquele que lhe mostrou misericórdia”. Jesus disse-lhe: “Vá e faça o mesmo você mesmo.”

Reflexão:

É uma parábola bem conhecida para o tempo que vivemos, e mais, quando este nome é usado em campanhas de arrecadação de dinheiro para quem precisa, é mais, muitas organizações se encarregam de ajudar os outros, use esse nome como lema ” Bom Samaritano “Mas será, quando Jesus estava na terra, judeus e samaritanos se davam bem. A resposta é não, porque a própria Bíblia o expressa claramente no Evangelho de João, porque a samaritana diz a Jesus: “Como, sendo judia, me pedes para beber, sendo samaritana? Porque judeus e samaritanos não se tratam ”(João 4: 9), existem versões que dizem“ eles não concordam ”. Os judeus acreditavam que os samaritanos eram uma mistura de judeus e não judeus (não judeus) e não representavam sua raça.

O tema central da parábola é que devemos amar o nosso próximo e nosso próximo é a pessoa próxima que precisa de nossa ajuda, ajuda, ajuda, atenção, independente de seu credo, nacionalidade, raça, etc.

Vejamos agora o contexto em que Jesus deu essa parábola. Um intérprete da lei quis colocá-lo à prova e perguntou-lhe: o que devo fazer para herdar a vida eterna? Jesus fez a mesma pergunta em outros contextos, como observamos com o jovem rico em Mateus 19:16, Marcos 10:17 e Lucas 18:18. Da mesma forma, para provar isso, eles lhe perguntaram em Mateus 22:36, qual é o grande mandamento da lei? As respostas a essas perguntas têm a ver com o mesmo tópico, o grande mandamento de Deus e a outra coisa importante, encontrada em Deuteronômio 6: 5 e Levítico 19:18, respectivamente. Jesus lhe fez uma contra-pergunta: “O que está escrito na lei? O que você está lendo aí? E foi quando a lei do intérprete lhe disse: ‘Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma, com todas as tuas forças e com toda a tua mente, e seu vizinho como você mesmo. Um mesmo. “Seguido por Jesus diz:” Você respondeu corretamente. Faça isso e você viverá. Mas querendo justificar-se, pergunta-lhe: “E quem é o meu próximo?” E é então que Jesus lhe conta a parábola do Bom Samaritano. Esse desejo de se justificar se refere mais ao fato de que para os judeus contemporâneos dessa época, o vizinho o considerava outro judeu próximo.

A história da parábola em poucas palavras é que um homem viajou de Jerusalém para Jericó, alguns ladrões apareceram na estrada que o despojaram de seus pertences e o deixaram quase morto, ele permaneceu caído no chão, então um padre passou, então para Ele flutua nas proximidades, e nenhum deles o ajudou, embora o tenham visto; quando um samaritano passou mais tarde, ele o ajudou e até o levou para uma pousada e pagou por vários dias até que ele voltasse. Então Jesus pergunta ao intérprete da lei: dos três, quem você acha que era o próximo daquele que caiu nas mãos dos ladrões? E ele respondeu: “Aquele que teve compaixão dele.” Jesus disse: “Bem, vá e faça o mesmo”. Observe que ele nem mesmo menciona a palavra samaritano, mas sim aquele que teve compaixão dele.

Há vários pontos a destacar que giram em torno do tema central da parábola, ou seja, que devemos amar o nosso próximo, e o nosso próximo é a pessoa próxima que precisa de atenção:

  • Jesus não cedeu à reivindicação do intérprete de fazê-lo cair diante dos outros judeus por interpretar a lei.
  • Jesus Cristo não veio para abolir a lei de Deus, mas para cumpri-la.
  • Jesus Cristo queria ensinar aos judeus que os samaritanos altamente rejeitados também eram bem-vindos como parte do plano de salvação de Deus. A ordem da grande comissão é revelada em Atos 1: 8 “mas você terá poder quando o Espírito Santo descer sobre você e você será minha testemunha em Jerusalém, em toda a Judéia, em Samaria e até os confins da terra. “
  • Jesus enviou seus discípulos em pares para pregar e dizer-lhes: não sigam o caminho dos samaritanos ou dos gentios, mas para a casa perdida de Israel (Mateus 10: 5), mas à medida que seu ministério se desenvolvia, ele os queria para todas as pessoas nascido de novo amará seu próximo, a pessoa próxima que precisava de ajuda. Não é que eles simplesmente se amariam e ajudariam uns aos outros entre os judeus, entre sua própria raça, mas que o escopo de fornecimento, samaritanos e não judeus, teria que ser expandido.
  • Jesus quer que todos os seus discípulos amem o próximo como ele nos amou. Seus ouvintes devem entender que Deus é amor, e que o maior mandamento de todos é amar a Deus acima de tudo e a outra coisa importante é amar seu próximo como a si mesmo, então dê a eles o novo mandamento, ele não muda o propósito de Deus, mas antes, a fonte do amor expresso em João 13: 14-15 “Eu vos dou um novo mandamento: amai-vos uns aos outros; como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. Com isso, todos saberão que são meus discípulos, se se amarem. “

Para concluir esta reflexão, observemos que Jesus diz ao intérprete da lei: “Pois vá e faça o mesmo”. Devemos nos concentrar em adorar a Deus, glorificá-lo, exaltá-lo, ver Sua majestade e amá-lo com todo o nosso ser. Cristo, para realizar o que temos em nossa mente e coração; Devemos amar o nosso próximo, a pessoa próxima que precisa de nossa ajuda, para que Deus seja glorificado, como se expressa em Mateus 5:16 “Brilha a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que é no paraíso. “